Grande parte dos professores acaba vivenciando a falta de escolhas no mercado de trabalho. A maioria entra na sala de aula querendo sair. O meio mais fácil e rápido acaba sendo uma pós-graduação em gestão, coordenação ou orientação. Não devemos nos culpar. A sala de aula não é pra qualquer um. Não é fácil e exige amor, dedicação e compreensão. Pois o nosso objeto de trabalho não é um computador ou algo sem vida. São seres humanos e exigem nossa responsabilidade.

Mas afinal, quais são as opções para o professor que por gosto ou escolha não quer vivenciar a rotina das salas de aula?
A educação é realmente um beco sem saída, uma área estática e sem possibilidades?

Empreendedorismo

O professor pode empreender. Mas tratar o conhecimento como moeda de troca é algo que muitos educadores não defendem e deve ser realizado de maneira minimamente responsável.

A primeira iniciativa que alguns professores possuem é a de fornecer aulas de reforço como meio de garantir uma renda extra. O que muitos esquecem é de investir nesse mercado. Principalmente quando viabilizamos uma alternativa mais barata para auxiliar a educação escolar falha.

Outra maneira de fornecer um serviço são as aulas particulares. Essa normalmente é procurada por um público com poder aquisitivo maior. Exige que a educação seja feita de maneira individual, portanto, paga-se mais caro por isso.

Essas iniciativas tendem a crescer, principalmente com a ampliação do quadro de homeschooling (veja mais aqui) no Brasil. A falta de eficiência e eficácia da escola, tem feito pais procurarem alternativas para ajudar na aprendizagem dos filhos. Essa opção possibilita um ensino personalizado que favorece e respeita as potencialidade e peculiaridades do educando.

A terceira alternativa e a que exige mais recursos é a criação de uma escola/creche. Exige alto investimento de capital, tempo, além de contar com uma série de burocracias que permeiam a sua legalização. Escolas sofrem com a inadimplência da clientela, e leis que cercam as possibilidades para o investimento privado na área.

Áreas de especialização – Qual caminho seguir?

Existem áreas estáveis como a Educação Especial, EJA, áreas de Gestão, orientação, coordenação e supervisão. Áreas que garantem especialização de acordo com o ensino de forma mais genérica – Educação Infantil, Alfabetização, Docência para o Ensino Superior e afins. Mas sigo oferecendo dicas de áreas em crescimento que crescem de acordo com as demandas e com as mutações sofridas na educação que está longe de ser estática.

  • Pedagogia Empresarial

As empresas estão cada vez mais preocupadas com  a estagnação de seus funcionários. O pedagogo auxilia o RH no desenvolvimento de treinamentos. Há o interesse em empresas sérias de investir no funcionários pois este investimento oferece retorno positivo para a empresa. Habilidades de liderança e na avaliação destes treinamentos são funções exclusivas do Pedagogo.

  • EAD

Não é novidade que a Educação à distância é o futuro. Ela garante um ambiente democrático, acessível e autônomo para a aprendizagem. Muitos professores admitem receio quanto ao crescimento da EAD. Mas não há como lutar contra a autonomia e autogestão do conhecimento. Vivemos em uma sociedade globalizada e tecnologicamente em desenvolvimento. Essa sociedade nos permite a liberdade de aprender em qualquer lugar, em qualquer hora, ao seu tempo e livres das barreiras e muros implantados pelas salas de aula.  Esse é o caminho para o professor que atende características específicas como a intimidade com meios de comunicação e acreditar na  eficiência da EAD.

  • Palestras

Uma boa opção para quem deseja um modo diferente de dar aulas é fornecer palestras. Para isso é necessário que o professor seja especializado em algo (domine um assunto), possua habilidades de comunicação e dialética. Um palestrante normalmente faz treinamentos para empresas ou vende um serviço para um público específico.

  • E-books

A venda de produtos digitais é um ótimo meio para divulgar um trabalho ou uma ideia. A educação fomentada pelos meios de comunicação garante o sucesso desse tipo de trabalho.

  • Especialização em metodologias específicas

A educação privada oferece espaço para professores especialistas em metodologias de ensino específicas. Elas possuem identidade metodológica marcante, permitindo que sua clientela a procure exatamente por essas especificidades. As escolas oferecem todo o ensino com essas metodologias norteadoras. Exemplo disso são as escolas Socioconstrutivistas, Montessorianas ou as Waldorf (leia mais aqui).

  • Produção Cultural

A produção cultural e a pedagogia de projetos são amplamente difundidas. Mas hoje existem escolas que se preocupam em contratar (mesmo em setores públicos) profissionais que somente se dediquem aos projetos e aos eventos culturais da escola. Além de professores de Artes e formados em Produção Cultural, existem cursos que especializam professores para este trabalho. Variam entre cursos de extensão e pós.

O produtor cultural retira a responsabilidade dos professores regentes de organizar eventos, festas, confraternizações, exposições, etc. Além de promover grupos de música, teatro, dança e afins.

  • Intérprete de Libras

Talvez seja a escassez em cursos, mas o professor que possui conhecimentos avançados em Libras (mesmo que em proficiência) tem um diferencial. A comunicação em libras se faz necessária e é comum vermos menos concorrência nesta área. Inclusive, algumas instituições oferecem o ensino em Libras mesmo que não possuam alunos inclusos.

  • Educação para professores

Educar educadores. Os cursos de formação continuada fomentam a iniciativa de professores em trabalhar somente ensinando professores. Comumente vemos professores que não possuem conhecimentos sobre determinadas áreas. Logo, os professores ensinam outros professores a trabalhar com a musicalização, a alfabetizar com o método fônico, ou até mesmo a lidar com a indisciplina em sala de aula.

  • Educação Profissionalizante

Essa é uma área que cresce mundialmente, principalmente por oferecer oportunidades aos alunos que não conseguem ingressar no Ensino Superior. Recomendo o artigo sobre EAD e esta Análise dos retornos da educação profissionalizante  para aprofundar mais o assunto.

  • Especialização em alfabetização bilíngue

Quanto mais cedo aprende-se algo, mais natural e fácil é o processo de aprendizagem. Pais acabam por optar pela Alfabetização bilíngue exatamente por acreditarem nesta ideia. Para isso, é necessário que o professor além de alfabetizador, esteja ciente dos processos metodológicos que envolvem a alfabetização bilíngue. Um artigo somente sobre este assunto será desenvolvido e postado aqui no blog em breve. Essa é uma tendência e uma opção para professores.

Espero que tenham gostado das dicas. Esqueci alguma área? Comente! Seu feedback é muito importante. Forte abraço! :*

Anúncios