Existe um pensamento quase que completamente global de que o conhecimento formal escolar funciona como único indicador do sucesso individual. Isso se dá a partir da hierarquização do conhecimento. O indivíduo escala os níveis de saberes escolarizados e assim assume ascensão social.

É preciso estar ciente que todo indivíduo é autodidata em diversos níveis. Algumas pessoas apresentam maior facilidade ou interesse em aprender coisas sozinhos. Mas o que torna uma pessoa autodidata? Por que algumas pessoas aprendem facilmente sozinhas e outras não?

É bem simples: as pessoas que não sabem aprender sozinhas não aprenderam a aprender.  

A escola tradicional nega o autodidatismo. Negam a importância do aprender a aprender. Mas ainda que forçadamente, as tendências liberais e a Escola Nova tiveram que admitir o educando que adquiri conhecimento através de suas experiências, o saber inventivo e o saber inato.

A teoria de múltiplas inteligencias de Howard Gardner admite que existem saberes autônomos. Isso quer dizer que independentemente do ensino formal, indivíduos possuem múltiplos saberes individuais. Saberes que podem ser ampliados através do ensino formal, mas que o antecedem.

Além do interesse pessoal, estímulos do meio, e a inteligência que a este indivíduo se aplica, o que proporciona sua autoaprendizagem?

Esse sujeito não é passivo ao conhecimento. Ele o procura. 

Ocorre que para existir este interesse em procurar pelo conhecimento, é necessário que o aluno seja impulsionado por algo. Como mencionei antes, todos praticamos o autodidatismo a todo momento. Então o autodidatismo pode funcionar muito bem com ou sem o ensino formal. Simultaneamente ou não.

O que vai determinar a quantidade de conhecimento adquirido através do autodidatismo são estes impulsos, advindos do meio ou advindos de necessidades individuais. É neste ponto onde o professor precisa torna-se aliado do aluno. O professor precisa ensinar o aluno a aprender. Ele não deve proporcionar jamais o conhecimento pronto, mas fazer com que o aluno busque o conhecimento formando um aluno pesquisador.

Se não estimulado, o aluno passa a abandonar sua autonomia e suas habilidades autodidatas e passa a cooptar pela educação passiva determinada pelo currículo, pela escola e pelos professores.

O autodidatismo pode contribuir para com aspectos sócio-culturais, pode determinar a descoberta do aluno para com seus prazeres internos além de fazer com que o educando utilize todo o conhecimento adquirido para mudar a sua realidade.

Lidar com o mundo tecnológico e com a autogestão do conhecimento são determinantes para o futuro da educação escolar.

Fontes e apoio para aprofundamento no assunto

DOWNLOADS

Entrevista PUC – RS

Gusdolf e Bourdieu sobre Autodidatismo

Estudo complementar – Autodidatismo natural

O trabalho do professor

Introdução à Teoria das Inteligências Múltiplas de Gardner

Anúncios